Tenso com a mudança?

de 23/10/20 em Feng Shui da Vida Real

Pesquisa mostra que maioria fica estressado na hora de mudar e empresa cria meditações para ajudar no processo

Eu já mudei de casa 8 vezes – uma de país, inclusive – e, mesmo dizendo para mim mesma que gosto de uma mudança, confesso que os processos foram estressantes. 

Sabia que não estava sozinha, mas não imaginava que tanta gente também acha estressante mudar de ninho.

Uma corretora imobiliária lançou uma série de meditações criadas especialmente para quem está nesse momento. Batizadas de Moving Meditations, elas foram criadas depois que uma pesquisa mostrou que 83% das pessoas ficam estressadas na hora de vender, comprar um novo imóvel e empacotar tudo para a nova casa.

Duas mil pessoas foram entrevistadas sobre o assunto e 22% disseram que já pensaram em desistir da mudança apenas por acharem a experiência muito estressante.

Depois da alegria por encontrar um novo endereço, um terço dos pesquisados disse não saber por onde começar a organizar a mudança. A mesma quantidade de entrevistados também nunca recorreu a nenhum método de organização, como listas de tarefas.

Para 32%, o estresse diminui quando estão de possse das chaves da nova casa. Mas 24% dos entrevistados só relaxa mesmo depois que todas as caixas da mudança já estão no novo endereço.

Estressado? Ligue para alguém

de 19/10/20 em Dicas que Curam, Notícias, Stress Detox

O estresse, um dos temas mais presentes em pesquisas relacionadas à saúde, tem sido objeto de inúmeros estudos sobre comportamento e saúde mental durante a pandemia.

Em todos, pesquisadores mostram que estamos, sim, muito mais estressados. 

Mas um estudo realizado pela Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, trouxe dados de como é possível reduzir os efeitos do estresse.

O resultado é da linha “minha avó já sabia”: pessoas que fizeram um balanço das suas emoções, identificando tristeza, ansiedade, medo, solidão, por exemplo, e tentaram lidar com elas de uma maneira consciente, demonstraram menores níveis de estresse do que aqueles que simplesmente tentaram ignorar os sentimentos.

Como? Manter contato com amigos e familiares, ainda que de maneira remota, foi um dos comportamentos identificados como positivos.

A pesquisa “Flexibilidade Psicológica no contexto da adversidade da Covid-19: Associações com angústia”, publicada no Journal of Contextual Behavioural Science, avaliou diversos tipos de comportamento adotados para lidar com situações derivadas da pandemia e encontrou respostas interessantes.

Resumo da pesquisa

Participantes: 485 adultos

Desafios: dificuldade em pagar moradia, dificuldades em pagar pelas contas de consumo, perda de renda, ficar longe da família

Experiências de situações decorrentes da pandemia: sudorese, taquicardia, medo, ansiedade

Resultados: os que se mostraram mais propensos em admitir as emoções e que estavam dispostos a lidar com elas, o que os pesquisadores classificaram como ‘abertura, atenção ao comportamento e ação’ demonstraram menores níveis de estresse.

Destaques dos resultados:

O que ajuda a reduzir o estresse

  • Flexibilidade 
  • Exercitar atenção às emoções que estão surgindo
  • Encontrar soluções para manter contato com amigos e membros da família
  • Fazer o que realmente importa mesmo em épocas desafiadoras
  • Adaptar-se às situações
  • Manter atitude positiva

Esse último aspecto fez a diferença nos resultados do estudo. Os pesquisadores ressaltam que os benefícios apareceram apenas quando a ação vem acompanhada de boa disposição mental. “Se está em contato com sua família remotamente em vez de pessoalmente, mas está ressentida com a situação e lamenta o tempo todo, isso só vai causar mais angústia”, explicou Emily Kroska, professora assistente de Psicologia Clínica da Universidade de Iowa.“Não é exatamente como gostaria, mas vou fazer o melhor que puder”, completa.